19 agosto, 2015

Óleo de Oliveira (alerta incêndios)

Fomos a vários locais procurar arvores antigas. Fomos procurar oliveiras donde do fruto a azeitona se extrai óleo. Óleo combustível usado desde a antiguidade.
Este óleo rico em compostos hidrogenados quando, destilado constitui um otimo combustivel.
Mas quanto custa um galão de azeite necessário para percorrer com um veiculo a distancia de 100km?
Será viável economicamente usar este óleo no seu veiculo disel?
Será ecologicamente sustentável produzir grandes quantidades deste óleo sem por o equilibrio ambiental em perigo?
Descubra você mesmo porque eu já descobri!

Esta oliveira não é nenhuma das apresentadas ou catalogadas.
Alerto para o perigo que constitui a divulgação da localização geografica destes tesouros naturais.
Hoje alerto para um flagelo mundial que destrói sistematicamente todos os anos, milhares de quilometros de florestas em varias partes do mundo.

Tudo sobre Hidrogenio, preço, consumo, etc, etc, …

 O meu nome é Duke.

 Este é o meu mundo.



 Aterramos onde você quiser, somos divulgadores da (PIEH) , Parceria Internacional Para a Economia do Hidrogênio. Soluções ambientais existem na área do hidrogênio que aleados á produção de Energia a partir da geotérmica fazem a diferença. Venha descobrir algumas de uma forma divertida ...

 ... Tudo sobre Hidrogenio, preço, consumo, etc, etc, ...

Fogos florestais



MEDIDAS DE AUTO-PROTECÇÃO E DEFESA CONTRA INCÊNDIOS



Prevenção de acidentes com: automóveis



SALVAMENTOS: COMO PROCEDER...
FOGOS FLORESTAIS:
Causas
Condições Meteorológicas
Tipo do Coberto Vegetal
Os Incêndios Florestais em Portugal Continental
O ordenamento e a gestão
Danos
A Prevenção
MEDIDAS DE AUTO-PROTECÇÃO E DEFESA CONTRA INCÊNDIOS
Prevenção de acidentes com:
Com electricidade;
Com gás:
Na cozinha;
Com automóveis;
GeralEm caso de incêndio:
Como agir
Se ficar encurralado...
Conheçer o fogo:
O triângulo do fogo;
Métodos de extinsão;
Classes de incêndios quanto ao combustível
Extintores portáteis:
Água pressurizada
Espuma
Pó químico seco (PQS)
Gás carbónico (CO2)
SALVAMENTOS: COMO PROCEDER...
- Salvamento aquático
- Salvamento em desabamento e soterramento
- Salvamento relacionado com choques eléctricos
- Acidentes com veículos
- Acidentes com elevadores
- Acidentes aéreos
- Acidentes ferroviários
A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas(direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia do terreno, acessibilidades ao local do incêndio, prazos de intervenção (tempo entre o alerta e a primeira intervenção no ataque ao fogo), etc...
Um incêndio pode propagar-se pela superfície do terreno, pelas copas das árvores e através da manta morta. Os incêndios de grandes proporções são normalmente avistados a vários quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos.
Causas
As causas dos incêndios florestais são das mais variadas. Têm, na sua grande maioria, origem humana, quer por negligência e acidente (queimadas, queima de lixos, lançamento de foguetes, cigarros mal apagados, linhas eléctricas), quer intencionalmente. Os incêndios de causas naturais correspondem a uma pequena percentagem do número total de ocorrências.
Condições Meteorológicas
  • A humidade dos combustíveis mortos (caruma, ramos secos, árvores e arbustos mortos) está directamente relacionada com a humidade do ar. Quanto maior a humidade do material vegetal, menor a facilidade que este tem de entrar em combustão;
  • A temperatura do ar está também relacionada com a sua humidade relativa. Temperaturas elevadas tornam os combustíveis mais secos e susceptíveis de entrarem em combustão;
  • O vento é o responsável pela oxigenação da combustão e, consequentemente, intensifica a queima. É também o responsável pelo arrastamento de faúlhas que poderão provocar focos de incêndio a distâncias consideráveis e pela inclinação das chamas sobre outros combustíveis.
Tipo do Coberto Vegetal
A floresta portuguesa é constituída por pinheiro bravo e outras espécies, originárias ou não do nosso território: sobreiros e azinheiras, eucalipto e carvalhos.
O pinheiro bravo tornou-se a espécie dominante no território continental português neste século. Reúne as condições ideais para proporcionar o desenvolvimento de grandes incêndios, principalmente por se associar a vegetação arbustiva de grande combustibilidade. É em zonas com grandes áreas contínuas de Pinheiro Bravo que se verificam maiores extensões de área ardida.
O eucalipto é uma espécie bastante combustível. Por se encontrar, geralmente em povoamentos onde as extracções de matos são frequentes, não possui grande taxa de destruição pelos incêndios.
Os sobreiros e as azinheiras, essenciais constituintes dos sistemas agroflorestais alentejanos, são árvores resistentes ao fogo. A cortiça do sobreiro funciona até como auto defesa da planta às altas temperaturas.
Os Incêndios Florestais em Portugal Continental
A distribuição temporal dos incêndios florestais em Portugal Continental é marcadamente sazonal, verificando-se o maior número de ocorrências e de área ardida nos meses de Julho, Agosto e Setembro. A área ardida nos meses de Inverno não é muito significativa, comparativamente ao resto do ano.
Incêndios Florestais
O ORDENAMENTO E A GESTÃO
Factores de sucesso no combate ao fogo:

Nos projectos sujeitos a aprovação dos serviços oficiais, são particularmente consideradas e impostas por lei:

  • A DIVERSIDADE das espécies vegetais: arborização compartimentada ou em mosaico.
  • A existência duma REDE VIÁRIA E DIVISIONAL: aceiros e arrifes.
  • A construção de PEQUENAS BARRAGENS: fontes de abastecimento decisivas.
É igualmente obrigatório manter, na floresta, caminhos e valetas limpos de matos ou de produtos de exploração florestal.

Se, na área em que reside, tiver conhecimento de situações de risco potencial de incêndios como: limpeza de matos deficiente, queimadas, lixeiras ou outras, avise a sua Autarquia, os Serviços Florestais, a PSP, a GNR ou os Bombeiros.

Danos
A floresta tem sido ao longo dos últimos anos alvo de danos significativos quer em termos de áreas ardidas quer em destruição de espécies singulares.
Embora difícil de quantificar, as emissões de gases e partículas libertadas durante um incêndio, podem ser responsáveis por alguns impactos ambientais.
Uma área devastada por um incêndio florestal, quando sujeita a chuvas intensas, pode tornar-se mais susceptível e originar mais facilmente, outro tipo de riscos tais como deslizamentos e cheias. Com a destruição da camada superficial vegetativa os solos ficam mais vulneráveis a fenómenos de erosão e transporte provocados pelas águas pluviais, reduzindo também a sua permeabilidade.
Para além da destruição da floresta os incêndios podem ser responsáveis por:
  • morte e ferimentos nas populações e animais (queimaduras, inalação de partículas e gases);
  • destruição de bens (casas, armazéns, postes de electricidade e comunicações, etc.);
  • corte de vias de comunicação;
  • alterações, por vezes de forma irreversível, do equilíbrio do meio natural;
  • proliferação e disseminação de pragas e doenças, quando o material ardido não é tratado convenientemente.
Com o crescimento das áreas residenciais na direcção da floresta, os seus habitantes ficam sujeitos a um risco acrescido a este tipo de fenómenos.
A ameaça dos incêndios florestais para pessoas que habitem em áreas florestais ou nas suas imediações, ou que utilizem estes espaços para fins recreativos é real. Um pré planeamento e o conhecimento de medidas preventivas pode diminuir os danos.
A PREVENÇÃO
0 seu contributo para proteger a floresta do fogo baseia-se na adopção de algumas Acções Preventivas, medidas de simples bom senso, sempre que haja risco de incêndio e sobretudo durante a época de fogos.
  • Não faça queimadas em terrenos situados no interior das matas, nem numa distância até 300 metros dos seus limites.
  • Não lance foguetes ou fogo de artificio dentro das matas nem numa distância até 500 metros dos seus limites.
  • Não queime lixos no interior das florestas nem numa distância até 100 metros dos seus limites.
  • Não faça lume de qualquer espécie no interior das matas e nas estradas que a atravessam, e Limpe o mato, num minimo de 50 metros à volta das habitações, armazéns, oficinas e outras instalações.
A energia tem de ser o mais facil de encontrar, obter.

Todo o processo e infrastrutura deve ter o menor impacto ambiental possivel (o custo do desenvolvimento e da mudanca ambiental nunca deve ser superior a propria vida.

(PIEH) Parceria Internacional para a Economia do Hidrogênio


Meu nome é Duke. Isto é o meu bolg.
Esta são Cidades do Hidrogenio e da Geotermica.
O trabalho apresentado neste blog, é um estudo de nichos sociais existentes em muitas das cidades visitadas.
Muitos dados estão incorrectos, precisam de confirmação científica. Outros dados seguiram rigorosos critérios de investigação por muitos dos autores, a quem agradeço pelo seu trabalho.
Peço desculpa por qualquer erro, baseado nas traduções do que eu escrevo aqui. Pois o meu conhecimento linguitico sobre tais linguas provem do tradutor do Google.
As marcas apresentadas aqui tem todos os direitos sobre invenções ou trabalhos científicos citados. A cópia ou reprodução é punível nos termos da lei do país em que o crime de plágio é cometido.
Obrigado ... Mid Night Duke ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

midnightduke8 procure este none no Google
Find in the Google this name midnightduke8

(PIEH) Parceria Internacional para a Economia do Hidrogênio
(IPHE) International Partneship for lhe Hidrogen Economy